terça-feira, 17 de setembro de 2019

O que comer e beber no Porto e arredores.

mesas de restaurante à margem do rio Douro

Saiba o que você não pode deixar de provar na região do Porto 

Para mim, uma das melhores coisas de uma viagem é comer e beber! A gastronomia diz muito de um lugar. Os pratos típicos contam-nos histórias, costumes e tradições. Através das comidas e das bebidas, vamos conhecendo mais sobre as pessoas e os lugares que visitamos.
Portugal é dos melhores lugares da Europa para se comer bem. E se o turismo no país vem a aumentar ano após anos, podemos ter a certeza que muitos dos turistas são seduzidos pela vasta gastronomia e pelos vinhos portugueses. Cada região, cidade ou aldeia tem as suas especialidades. Sejam elas pratos típicos, bebidas e doces! Quem resiste aos doces portugueses?
Mas é certo, que muitos turistas brasileiros "descobriram" Portugal a pouco tempo como um destino que tem muito para ser explorado e por isso há muita comida e bebida para ser provada e aprovada!
No Porto e arredores não é diferente, o Porto é um destino que para além da história, tradição e cultura, é das cidades portuguesas que comer e beber está na ordem dos dias. 
É comum passearmos pelas ruas e vermos mesas e mais mesas onde as pessoas estão degustando as várias especialidades da cidade e do país.
Por isso, para você que vem ao Porto, aproveite para provar algumas especialidades que são muito típicas desta região.

Comidas com História:

  •  Francesinhas
Dizem que quem vem ao Porto e não come uma Francesinha, é como ir a Roma e não ver o Papa.
É considerado o prato típico nº 1 do Porto. Está relacionado com a história de um português que foi trabalhar na França e comia muito Croque Monsieur por lá. Quando voltou a viver em Portugal, mais especificamente no Porto, decidiu criar um prato parecido mas muiiito mais elaborado, bem à maneira portuguesa, com carnes, salsicha, muito queijo e um molho especial e quase secreto. Pode ser servida com ovo e acompanhada de batata frita. Ou seja, não pense em dietas ao pedir uma francesinha. Mas como Porto é uma cidade para se andar muito, inclusive com subidas e descidas à mistura, dá para comer pelo menos uma Francesinha sem culpa durante a sua estadia na cidade.
O ideal é ser acompanhada por cerveja, fino/chopp ou refrigerantes. 
Existem diversas sugestões de lugares para comer Francesinha, quase todo o portuense tem o seu local de eleição. As minhas preferidas estão no Bufete Fase, Madureira´s, Café Requinte, mas certamente quando  perguntamos para os moradores do Porto e região, cada um vai ter a sua preferida. Só não é muito aconselhável comer nos lugares muitos turísticos.

Francesinha, batata frita e coca-cola
a famosa Francesinha

  • Tripas à Moda do Porto
Este prato está relacionado com uma lenda (que os portuenses não me julguem!). 
Dizem que quando o Infante D. Henrique, depois de construir os barcos que iriam iniciar a saga dos descobridores portugueses, aqui nas margens do rio Douro, o povo do Porto decidiu abastecer os barcos com comida e bebida, dando toda a carne dos animais que havia na cidade, ficando apenas com as tripas, as víceras.
Com isto tiveram que inventar receitas para irem se alimentado e chegaram às famosas Tripas à Moda do Porto que são conhecidas no Brasil como a Dobradinha. É um prato polemico. Há quem ame ou não. Eu dispenso as tripas propriamente ditas, mas adoro o feijão branco e as outras carnes que acompanham. Umas Tripas à Moda do Porto bem confeccionada tem um tempero muito especial!



  • Alheira
Em todos os lugares vai ver a alheira nos cardápios, desde a maneira mais tradicional, até às versões mais elaboradas, preparadas por chefs renomados. É um enchido (embutido, no Brasil) muito típico aqui do Norte de Portugal e também vem  acompanhado de história. Desta vez, está  ligada aos judeus que fugiram na época da Inquisição, para Portugal e que aqui viveram por alguns séculos, até que através do decreto-lei do rei D. Manuel, foram obrigados a se converter ao cristianismo para poderem salvar a própria pele. Mesmo assim, muitos ainda mantinham as suas tradições, e uma delas é não comer carne de porco. Por isso, para enganarem os cristãos que pensavam que eles estava a comer enchidos à base de porco, os judeus inventaram este que é enchido de pão com outras carnes e ervas à mistura. 
O certo é que é uma delícia, e se vem ao Norte de Portugal tem que provar. A versão mais tradicional é assada, que pode ser servida como petisco ou no prato como refeição.

alheira assada na brasa, alheira no prato com grelos e alheira como petisco
alheira assada na que pode ser servida como refeição ou petisco

O bom e velho bacalhau:

Dez entre dez brasileiros que chegam ao Porto querem comer: Bacalhau!
E se uma cidade que tem um muro (parte da muralha medieval) que se chama Muro dos Bacalhoeiros, onde moravam muitos homens que trabalhavam na pesca do bacalhau, é claro que a tradição e a história garantem ótimos locais para comer o tão desejado peixe. Inclusive foi no Muro dos Bacalhoeiros que nasceu José Luis Gomes de Sá, que criou a receita mais difundida no Brasil. Toda esta história, você vai encontrar no artigo que escrevi sobre o Muro dos Bacalhoeiros e a tradição da pesca do bacalhau.
Desde os pratos mais tradicionais e saborosos como o lombo de bacalhau, até os famosos bolinhos e pataniscas (uma espécie de bolinho, feito sem a batata) vale provar tudo! Afinal dizem que existe em Portugal mais de 150 receitas de bacalhau. 
Só não aconselho comerem o que os mais tradicionais chamam de receita inventada para turistas, que são os bolinhos de bacalhau recheados com queijo da serra. Dois sabores tão fortes e intensos juntos, não podem ter um bom resultado.
Dos restaurantes mais tradicionais, onde podemos ver uma senhora na cozinha e os familiares a servir as mesas, até os mais sofisticdos restaurantes, é quase impossível não se encantar com o bacalhau!

pataniscas, lombo e bolinhos de bacalahu
pataniscas, lombo assado e bolinhos, são algumas das versões do tão desejado bacalhau

As sandes clássicas que valem a pena provar

As tradicionais sandes (sanduiches) são ótimas sugestões  principalmente para quem quer fazer uma refeição rápida entre os seus passeios. Também são facilmente encontradas e a mais curiosa, o prego no pão, que todos brasileiros querem saber o que é, para mim é uma delícia! Um bife no ponto em pão estaladiço e que tem uma versão com queijo da serra derretido que é divinal! Pode acompanhar com batata frita também. Existe um lugar no centro do Porto que é o meu favorito quando o assunto é Prego no Pão, chama-se Venham mais Cinco
A Sandes de Pernil com queijo da Casa Guedes também é super tradicional na cidade e como o nome diz, é feita com pernil de porco. A dica neste caso também é acompanhar com cerveja ou fino (chopp).
Quando estou fazendo os Passeios com turistas brasileiros no outro lado do rio em Vila Nova de Gaia, sempre paramos no Mercado Beira Rio para comermos uma Sandes de Leitão com batatas fritas e um copo de espumante, no Forno do Leitão do Zé


sandes prego no pão e batata frita
Prego no pão com queijo da Serra

As Bifanas à Moda do Porto também estão por toda a parte. Trata-se de carne de porco cortada bem fininha feita com um molho muito especial. São normalmente feitas no dia anterior para o molho ficar bem apurado e picante. Uma delícia também!
É o lanche mais fácil de encontrar na cidade. Nas festas de rua, dos estádios de futebol em dias de jogo. Há bifanas em todo o lado!
Outra instituição do Porto, quando falamos de lanches são os Cachorrinhos, servidos em pão fino, estaladiço e recheado com linguiça fresca, com molho picante e cortado aos bocados para servir tipo aperitivo e também o ideal é ser acompanhado por cerveja.

bifanas
bifanas


Comer o que é da época:

Se existe algo importante aqui no Porto, em Portugal  ou em qualquer país europeu, é o hábito de comer o que é da época. Por isso, fique atento, quando você está visitando um lugar  procure saber o que se está comendo naquela época. 
Isto significa a certeza de estar comendo um produto fresco, muito mais saboroso, muitas vezes vindos de pequenos produtores, o que vai fazer você se sentir bem por estar colaborando com este tipo de economia, e vai ter o privilégio de estar se deliciando com algo que muitas vezes só vai voltar a existir no próximo ano.
As frutas são um bom exemplo. Use e abuse das frutas da época no pequeno-almoço /café da manhã do seu hotel, o sumo/suco de laranja em Portugal é do melhor que se pode saborear. Aproveite!!


cerejas
cerejas

figo
figo

As famosas sardinhas, são peixes que só podem ser pescados do final de Maio à Setembro, por isso, aproveite se está no Porto nesses meses, porque depois disso nem todos os restaurantes vão servir e os que servem, só terão sardinhas congeladas, o que também modifica o sabor.


sardinhas assadas na brasa
sardinhas assadas na brasa de Junho à Setembro. São as melhores.

Acontece o mesmo com as castanhas assadas que vemos nos carrinhos em várias ruas do Centro Histórico e que nos tentam com aquele cheirinho ao serem assadas na hora. Saiba que os melhores meses para comê-las são de Outubro à Dezembro/Janeiro, uma vez que a época da castanha é o Outono e fora destes meses, você também vai estar comendo uma castanha que foi congelada.


Castanhas assadas
abuse das castanhas assadas no Outono, elas estão por toda parte!

Em épocas festivas, também temos que aproveitar as delícias que estão pela cidade, como o Bolo Rei e outros doces típicos do Natal, as amêndoas na Páscoa, assim como o Folar, que ao contrário do centro sul de Portugal, onde o folar é doce e com um  cá no Norte, o Folar é feito à base de azeite e recheado com carnes.




Doces

Diferente das várias cidades portuguesas que tem os seus doces conventuais típicos, o Porto não tem um doce típico propriamente dito, mas tem várias confeitarias e pastelarias (onde são feitos e servidos muitos doces portugueses) para quem não resiste a esta especialidade lusitana: os doces!
O pastel de nata está em todos os hotéis, cafés e casas de chá. São ligeiramente diferentes dos famosos pastéis de Belém de Lisboa, mas se você não vai à capital na sua viagem, pode encontrar os também famosos pastéis da Manteigaria em duas lojas aqui no Porto.
Uma das confeitarias mais tradicionais da cidade onde você vai encontrar uma infinidade de doces portugueses é a Confeitaria do Clérigos, uma delícia o ano todo e uma perdição na época do Natal.

pastel de nata e café
um pastel de nata e um café. um clássico!

Não vá embora do Porto sem antes comer a rabanada do Café Majestic ou do Café Guarany (ambos sob a mesma direção). Eu costumo dizer que por mais que a minha mãe, fizesse uma rabanada deliciosa, está é a melhor do mundo!


rabanada
deliciosa rabanada do Café Guarany e do Majestic

Petiscos


Cada vez mais em alta, os petiscos (aperitivos, no Brasil e tapas em  Espanha), são ótimos para experimentarmos de tudo um pouco. No Porto existem muitos bares e restaurantes que adotam este conceito, onde todos podem partilhar e aproveitar para conhecer um pouco de tudo, como queijos, enchidos, conservas, bolinhos, e diversas especialidades.
Ideal para uma mesa de convívio ao fim da tarde!

conservas, vinhos e pães

queijos, frutas e enchidos

Sopas

Os portugueses comem sopas todos os dias!! Faz parte da refeição diária nas casas, nas escolas, nos restaurantes ou até um lugares de refeições rápidas é comum encontrar locais que só sirvam sopas.
Num país onde a agricultura fornece uma variedade rica em legumes e onde em tempos difíceis era só a sopa que se tinha para comer, uma refeição completa em Portugal tem que ter sopa.
As minhas preferidas: creme de legumes, caldo verde e sopa de peixe. Mas de Norte a Sul, as especialidades variam de acordo com as regiões.
São saudáveis e aquecem a alma e o coração. Quem não se lembra do aconchego do lar diante de um bom prato de sopa?
Abuse delas, principalmente no Inverno!

sopa de legumes


A alta  gastronomia 

Mas nem só de tradição vive a gastronomia do Porto e do Norte de Portugal. A cozinha contemporânea está presente em excelentes restaurantes de chefs conceituados e alguns com estrelas Michelin: Pedro Lemos, Antiqvvm, The Yeatman (V. N. Gaia), Casa de Chá da Boa Nova (Matosinhos), Largo do Paço (Amarante), A Cozinha (Guimarães), G Pousada (Bragança).
Mas além dos estrelados, a cozinha de autor ou alta gastronomia está presente em vários e ótimos restaurantes na cidade como o Cozinha do Avilez, D.O.P., Eskaulduna, Oficina, Paparico, Cafeína e muitos outros.

prato de azulejos e doces

Vinhos

É claro que na hora de beber, o vinho não pode faltar! Em um país produtor de vinhos e numa cidade que deu o nome ao vinho mais famoso do país, o vinho não pode deixar de fazer parte da sua viagem.
Seja para acompanhar as refeições, os doces como no caso do vinho do Porto ou mesmo nos drinks, como é o caso do Porto Tonico.
Uma ou mais visitas nas caves do vinho do Porto é um passeio obrigatório. Dos Passeios que faço com os turistas brasileiros preferidos é certamente o tour do vinho do Porto, onde é possível entender melhor a história deste vinho, que se confunde com a história da cidade.
Conhecer mais sobe este vinho e prová-lo numa das caves com vistas para a cidade do Porto é fantástico.
Além das caves, existem vários wine bars ou lojas de vinhos (garrafeiras) onde também é possível fazer provas comentadas ou simplesmente, sentar e desfrutar de bons momentos à mesa.
Para os apreciadores, nada melhor do que comprar algumas garrafas para levar na sua viagem. Os preços por aqui são tentadores e com as malas de transportes de garrafas, é certo que elas chegaram em segurança.
As regiões produtoras dos vinhos do Porto, do Douro de de Vinhos Verdes, aqui no Norte de Portugal, também merecem a visita. São paisagens únicas e exclusivas.


copos de vinho do Porto
vinho do Porto

garrafas de vinho na janela
vinhos do Douro

copos de vinhos e azeitonas
vinho verde


Como pode ver, além de muitos lugares para visitar e conhecer, vai precisar de vários dias no Porto e região para poder desfrutar de tanta  riqueza em se tratando de gastronomia e vinhos.
Aproveite! Porque o melhor da viagem é comer e beber !

Programe-se:









domingo, 1 de setembro de 2019

Do Porto até Gondomar. Pelo Passadiço do Rio Tinto.

Passadiço do Rio Tinto

Um lugar próximo da cidade e da natureza, para caminhar, correr ou pedalar. 

Rio Tinto já foi um rio que atraía pescadores, lavadoras e agricultores que utilizavam os diversos moinhos que ali se encontravam, nos seus 12 kms de extensão. 
Nasce na região de Ermesinde em Valongo e vai desaguar no rio Douro, bem próximo da ponte do Freixo.
Sabe-se que desde o período Neolítico as suas margens atraíam ocupação humana devido ao  solo fertíl, água e a proximidade ao grande rio Douro.
O seu nome está ligado à uma lenda. Diz-se que no xéc. X, em tempos de ocupação árabe na peninsula ibérica, os cristãos conseguiram vencer o exército mouro, evitando assim uma grande invasão na região do Porto.
Tal batalha provocou um grande derramamento de sangue, deixando as águas do rio vermelhas e a partir de então passou a se chamar rio Tinto.
Esta ocupação às suas margens passou a ser a vila de Rio Tinto, em Gondomar. Uma região bastante populacional nos arredores da cidade do Porto e também conhecida por suas oficinas de ourives, artesãos do ouro.
Depois de muitos anos  o rio sofreu a falta de cuidado, ficou bastante poluído e as suas margens não eram nada atrativas. Mas graças ao um grande trabalho de revitalização não só o rio recuperou o seu curso da poluição como ganhou em Julho deste ano, um longo passadiço permitindo assim um excelente passeio que une as margens do rio Douro e do rio Tinto.

Passadiço do Rio Tinto


Eu como amante das caminhadas, não perdi a oportunidade de conhecer este novo local para caminhar e estar perto da natureza em plena cidade.
Em Rio Tinto, o percurso tem início próximo da estação do metro Levada, da linha F e aproximadamente 5 kms com o rio sempre ao lado, passamos pontes, algumas propriedades rurais, o Parque Oriental, chegamos à Ponte do Freixo, onde é possível ver o local onde o rio Tinto entra pelo rio Douro.

paisagem ao redor do Passadiço do Rio Tinto

mapa do Passadiço do Rio Tinto

vista do estádio do Dragão
Dali avista-se o Estádio do Dragão

Ponte do Freiso
e a chegada do rio Tinto no rio Douro.

E a partir daí os mais inspirados poderão seguir a caminhada com o rio Douro ao lado. 

passadiço no rio Douro


Para quem vai em direção à Ribeira, vai passar pelas pontes D. Maria Pia, de São João e do Infante, pescadores e o casario que vai se aproximando do Centro Histórico.
Já no sentido oposto, o cenário é completamente diferente, depois de passar pela Marina do Freixo e o belíssimo Palácio do Freixo, a paisagem do rio Douro transforma-se. Fica longe do cenário urbano e tem também um belíssimo passadiço. Já fiz este percurso na ocasião que me preparava para o meu Caminho de Santiago de Compostela, e recomendo e muito! É mesmo fantástico fazer esta longa caminhada com o rio Douro ao lado.
E agora também com o rio Tinto.
São percursos ideais para quem já conhece as principais atrações turísticas do Porto e quer se encantar com uma paisagem bem mais tranquila e não menos bonita.
E ainda vai cuidar da forma física, andando à pé e sem poluir o ambiente.

sinalização do Passadiço do Rio Tinto


Se pretende começar o percurso pelo passadiço do rio Tinto, basta ir até a estação Levada do metro - linha F e seguir as indicações.


Vem para o Porto e região?

mãos em azulejos





quarto de hotel






domingo, 25 de agosto de 2019

Porto Card. Vale a pena comprar?


Cartão de turismo do Porto


Saiba mais sobre o Cartão do Turismo Oficial do Porto:

Assim como a maioria dos principais destinos da Europa, no Porto você também vai encontrar o cartão que oferece uma série de vantagens para os turistas, principalmente no que diz respeito ao acesso às principais atrações turísticas e também ao uso dos transportes públicos. É o Porto Card, que pode ser adquirido nas lojas de Turismo Oficial do Porto ou no site oficial do Turismo do Porto.

É muito comum as pessoas perguntarem se vale a pena comprar este cartão e eu sempre digo que vai depender do que você pretende fazer na cidade. Se gosta de visitar museus, se está com crianças e pretende fazer algumas atividades dedicadas aos pequenos, além de visitar as caves de vinho do Porto, vai ter descontos consideráveis.
Se você vai estar fora do Centro Histórico do Porto, também pode optar pela opção que lhe permite utilizar os transportes públicos da área metropolitana.
Além disso, com o Porto Card é possível ter descontos em restaurantes, bares,estacionamentos, alugueis de bicicletas e algumas lojas.
Mas se você pretende apreciar as ruas do Porto, e as suas atrações, e não tem a intenção de visitar muitos dos seus monumentos que são pagos, talvez não seja necessário adquirí-lo.
Mesmo assim, se vai estar hospedado fora do Centro Histórico vale a pena comprar o Andante Tour que é o bilhete que permite circular  nos transportes públicos por vezes indeterminadas de 1 a 3 dias.
Já falei deste tipo de transporte no post sobre Como ir do Aeroporto do Porto até o centro da cidade.

Os tipos de cartões :

O Porto Card tem validade para 1, 2, 3 ou 4 dias.
Se vai ficar hospedado no Centro Histórico do Porto, pode optar pela versão Pedonal, ou seja, a versão para quem pretende andar a pé pela cidade, mas quer usufruir dos descontos que o cartão oferece para entrar em vários monumentos e demais vantagens.
Os preços variam entre os 6 e os 15 euros ( valores em 2019)

Se vai ficar fora do Centro Histórico e vai utilizar os transportes públicos para circular na cidade, pode optar pela opção Porto Card + Andante Tour, onde vai poder usufruir das vantagens do cartão de turismo e ainda utilizar os transportes (metro, comboio/trem e autocarro/ônibus), quantas vezes quiser. Neste caso os preços vão de 13 a 33 euros (valores em 2019)


cartão Andante Tour do Porto



Algumas Vantagens: 

Com o Porto Card é possível entrar gratuitamente em todos os museus municipais, e alguns deles valem muito a visita como a Casa do Infante e o Museu Romântico  .
Também pode usufruir 50% de desconto em outros museus muito interessantes como: o Museu da Misericórdia do Porto, o Museu Nacional da Imprensa, o Museu Nacional Soares Reis, a Galeria da Biodiversidade, o Museu do Carro Eléctrico e o Museu da Farmácia .
Todas as caves de vinho do Porto também oferecem descontos para os utilizadores do Porto Card. Que podem variar de 10 a 40%.
Nos cruzeiros das seis pontes pelo rio Douro, também é possível usufruir de descontos de 20% e nos autocarros/ônibus hop on hop off os descontos são de 25%.
O Sea Life, o Zoológico e o Museu do Futebol Clube do Porto também oferecem descontos para os visitantes portadores do Porto Card.

Como referi anteriormente, é possível utilizar todos os transportes públicos durante os dias que estará se beneficiando do cartão, com exceção dos eléctricos/bondinho e o funicular.
Mas pode utilizar o metro e o comboio/trem para conhecer outras cidades na região metropolitana do Porto como por exemplo Vila do Conde, Matosinhos e Espinho.

Pode conhecer todas as vantagens de utilização do Porto Card: AQUI 

Onde Comprar:


Loja do Turismo do Porto e Norte que se encontra no desembarque do Aeroporto do Porto.
Loja Oficial do Turismo do Porto - Rua Clube dos Fenianos 25 - ao lado do edifício da Câmara Municipal do Porto.
Posto de Turismo em frente à Sé Catedral do Porto
Posto de Turismo na Praça da Ribeira
No site do Turismo do Porto


Aproveite as vantagens e desfrute o Porto que encanta!!

Escolher hoteis no Porto






Experiências no Porto




segunda-feira, 19 de agosto de 2019

A Rota do Românico. Monumentos, marcas e interpretações.


sinalização da Ermida da Nossa Senhora do Vale na Rota do Românico

Desta vez, do Porto para Paredes:

Quando começamos a descobrir os monumentos da Rota do Românico não queremos mais parar.
São igrejas, mosteiros, capelas, ermidas e torres, contruídos pedra sobre pedra. O granito, tão presente na região Norte de Portugal e onde tudo parece-nos contar a história da formação de uma nação, que se fez através da reconquista cristã, e que para isso, era preciso mostrar também  em  forma física, que aquele território era cristão.
Para melhor entender a Rota do Românico, sugiro começar pela visita ao Centro de Interpretação do Românico, em Lousada. Foi justamente isto que fizemos,  eu e a minha amiga Naiara Back do blog Aqueles que viajam, quando começamos o nosso projeto #nósnarotadoromânico.
Ainda estamos desvendando os monumentos do vale do Rio Sousa e já estamos ansiosas em seguir para os vales do Rio Tâmega e do Rio Douro.
Em Lousada nos encantamos com a Igreja de Santa Maria de Meinedo e várias pontes que fazem parte desta Rota. Em Penafiel, foi a vez do Mosteiro de Paço de Sousa
E seguimos então para Paredes a 30 kms do Porto para descobrirmos mais 3 num total de 60 monumentos.

mapa interativo da Rota do Românico
Imagem retirada do site da Rota do Românico que é muito interativo e ajuda-nos imenso a programar a visita aos monumentos 

1. Capela da Senhora da Piedade da Quintã


Uma capela localizada em pleno ambiente rural na freguesia de Quintã e que sofreu profundas alterações, tendo muito pouco da sua versão original, o que na verdade acontece com muitos monumentos da Rota do Românico. É natural, estamos a falar de edificações seculares que ao longo da história sofreram profundas alterações arquitetonicas.

Capela da Rota do Românico

Lateral de uma capela da Rota do Românico

Sinalização de um dos monumentos da Rota do Românico


altar de uma capela da Rota do Românico
O interior foi pintado de branco para proporcionar um ambiente mais claro.

2. Mosteiro de São Pedro de Cetê:

Mais uma vez  estamos diante de um monumento cercado de propriedades agrícolas, o que também nos faz compreender a movimentação das ordens religiosas, no período da reconquista cristã.
Onde hoje podemos conhecer este belíssimo mosteiro, é comprovada a existência de uma basílica dedicada à São Pedro, ainda no início do séc. IX. O Mosteiro de Cetê é posteriormente construído e fundado por D. Gonçalo Oveques, cuja a sepultura encontra-se no interior da igreja.
As suas alterações arquitetonicas colocam-nos diante de um monumento românico dos finais do séc. XIII e início do séc. XIV. Com uma fachada lindíssima, ainda com o antigo mosteiro ao lado e marcas na fachada repleta de simbolismos.

FAchada do Mosteiro de São Pedro de Cetê


FAchada do Mosteiro de São Pedro de Cetê


parede de pedra de uma antiga igreja

Pormenor de uma igreja da Rota do Românico

fachada lateral do Mosteiro de São Pedro de Cetê

O seu interior, mantém a simplicidade daquela época, onde o granito predomina, juntamente com a madeira. Confesso que sou fã deste tipo de igrejas.


interior de uma igreja da Rota do Românico


pormenor do teto de uma igreja da Rota do Românico

um santo no interior de uma igreja na Rota do Românico


Os destaques vão para os túmulos de D. Gonçalo Oveques, fundador do Mosteiro de Cetê e do abade D. Estêvão Anes, que esteve à frente do Mosteiro entre 1278 e 1323. Ambos em trabalho granítico.
Mas o que mais chamou a minha atenção em todo o interior, foi o vestígio de uma pintura na parede da imagem de São Sebastião, provavelmente datada de meados de 1500.
Segundo alguns levantamentos feitos de pinturas desta época, São Sebastião era um dos santos mais populares de Portugal na idade média, muito pela devoção que lhe atribuíam à cura de epidemias.
Sendo evocado inclusive no séc. XIX, como protetor das videiras, no caso da epidemia da filoxera, que afetou as vinhas naquela altura.

vestígio de uma pintura em mural
sou uma profunda admiradora, deste tipo de pintura nas paredes das antigas igrejas

Outro pormenor que desviou a minha atenção, foram os azulejos hispano-mouriscos que revestiam a capela onde se encontra o túmulo de D. Gonçalo Oveques. Foram ali colocados, quando se começaram as introduzir os azulejos em Portugal, no interior das igrejas, entre o final do séc. XV e o início do séc. XVI. Estes ainda com a geometria utilizada nos azulejos árabes no sul da Península Ibérica.

pormenor em azulejo de uma igreja na Rota do Românico

3. Ermida da Nossa Senhora do Vale

Uma ermida é uma capela devocional, localizada normalmente nos limites de uma paróquia e é utilizada pela população circundante para suas vivências de religiosidade.  
Nestes caso, evoca a Nossa Senhora do Vale e mais uma vez, ligada aos interesses agrícolas da população na época da sua fundação. 

capela da Rota do Românico


detalhes em pedra numa capela da Rota do Românico

Mais um vez a simbologia do românico acompanha a construção desta pequena capela, e novamente o que me encantou foram os vestígios de pinturas em mural, também do séc. XVI.

vestígios de uma pintura em mural


As visitas aos monumentos da  Rota do Românico  devem ser sempre agendadas com antecedência de 48 horas. E sempre que puder faça a visita guiada, vai entender muito mais sobre sua história.
Nossa visita guiada a estes três monumentos teve a agradável companhia do José Augusto que inclusive nos traduziu alguns textos em latim que escritos nos ex-votos nas paredes da Ermida da Nossa Senhora do Vale, um deles relacionado inclusive com um possível ataque indígena no Brasil.

explicação sobre um ex-voto numa capela
  

Do Porto para a Rota do Românico... uma maneira diferente de fazer turismo e de entender a história de Portugal.
www.rotadoromanico.com

Se pretende se hospedar na Rota do Românico vai encontrar ótimas hospedagens, desde hotéis nas cidades próximas, até alojamento do estilo turismo rural.

Alugue o seu carro para conhecer a Rota do Românico a partir do Porto:

opções para alugar um carro