domingo, 15 de maio de 2016

No Caminho Português... do Porto para Santiago.

De hoje, até 28 de Maio  estarei junto com a minha amiga austríaca Elena Paschinger, autora do blog Creativelena, fazendo o Caminho Português de Santiago, a partir do Porto.

Da Sé Catedral do Porto até a Catedral de Santiago de Compostela...



Passando por lugares fantásticos nos arredores do Porto, na região do Minho e na Galiza em Espanha.
Fazendo o Caminho com todo o sentido que ele deve ser feito e também mostrando como fazê-lo de maneira possível, com tranquilidade e bem estar. Concentradas na nossa peregrinação mas olhando para o Caminho como uma inspiração.




Contando muitas histórias.
Como a das vieiras que nos acompanharão...



Feitas pela amiga Cristina Nepomuceno que foi busca-las na coleção de mais de 20 anos do seu pai, que as guardava desde quando ainda trabalhava com extracção de areia em Ílhavo e Vagos.
Vieiras com história: "mesmo não podendo ir, levam um bocadinho de mim convosco"

Histórias que vamos anotar em nossos cadernos. E este vai ser um grande desafio para duas bloggers que não poderão levar os seus computadores nas mochilas.
Nunca ficamos tantos dias longe deles!!

por: Busilis da Comunicação

Mas durante o Caminho, vai valer a pena acompanhar as nossas redes sociais que serão sempre atualizadas, etapa por etapa...

Snapchat: oportoencanta



Pode ver neste post AQUI todo o sentido da decisão de fazermos o 
Caminho Português de Santiago a partir do Porto.

Acompanhe: #DuasBloggersUmCaminho

Apoio:



sexta-feira, 13 de maio de 2016

Caminhadas e corridas depois da Ponte Luis I. Sempre ao lado do Douro!


Muitos dos turistas que vem ao Porto, principalmente aqueles que não dispensam a prática de exercícios físicos, pedem-me indicações de bons lugares para caminhar ou correr no Porto.
E um dos locais que eu gosto de indicar é a margem do rio Douro depois da Ponte Luis I em direção à Ponte do Freixo. Por ali, o movimento de carros e turistas não é tão intenso e os passeios são bem mais largos, o que é mais seguro. E está bem próximo dos principais hotéis e alojamentos turísticos da Baixa do Porto. Basta ir até à Ribeira e começar.

Quem acompanhou pela rede social Snapchat do oportoencanta, sabe que este foi um dos percursos que escolhi para treinar para fazer o meu Caminho Português de Santiago que está prestes a começar.

É muito agradável caminhar ou correr por lá sempre com o rio Douro como companhia e as pontes para apreciar...




ainda com um pouco do casario típico...




Existe agora por lá um mobiliário urbano ótimo para quem prefere ficar apreciando a paisagem...




Depois da Ponte do Freixo, entrando pelo parque do Museu de Imprensa, ao lado da Marina do Freixo, podemos desfrutando de uma excelente estrutura para continuar a caminhar ou correr ao lado do rio. E com um cenário muito mais tranquilo, vamos aos poucos deixando para traz a cidade do Porto e entrando em Gondomar...



Para trás também ficaram a Pousada do Freixo e o Museu da Imprensa...


a igreja do Bonfim...


o Estádio do Dragão...


as pontes...



e a partir daí a caminhada ou corrida é mesmo tranquila, aproveitando uma estrutura pela margem do rio muito bem construída...




tudo bem sinalizado...




com vários estacionamentos...



espaços para crianças e para jogos...



tudo longe dos carros e da agitação urbana, num cenário bucólico...








muitos pormenores...





Para quem quer fazer uma pausa e apenas deixar a vida passar enquanto observa o rio, também há vários recantos...





com os "moradores" à espreita...




Um percurso total de 13km (ida e volta) da Ponte Luis I até o Gramido. 
Uma sugestão para turistas e locais que gostam de cuidar da sua preparação física ao ar livre.
Ou simplesmente gosta de um bom passeio com o rio Douro como parceiro!




porque as margens deste rio... encantam!

terça-feira, 10 de maio de 2016

Olhar para o alto para ver... beirais lindos!! Os telhões de faiança.

Quem anda pelas ruas do Porto adora apreciar as fachadas dos edifícios.
As varandas e os azulejos chamam a atenção de todos.
Tantos modelos e desenho diferentes encantam locais e turistas...

ver um post no blog que fala sobre esta combinação perfeita: AQUI
Mas quem atreve-se a olhar mais para o alto pode ter a sorte de encontrar alguns dos poucos exemplares de telhões de faiança que enfeitavam os beiras das casas construídas por volta do séc. XIX.




Hoje em dia são raríssimos, mas quando conseguimos avistá-los é um deleite para os olhos.
Ainda podemos vê-los em alguns edifícios no Porto e arredores.

Para encontrá-los é preciso olhar lá para o alto dos edifícios. Pode até dar uma certa dor no pescoço, mas vale a pena.

Na Baixa do Porto conseguimos avistar alguns na  Ribeira...


 Muitos em ótimo estado de conservação...
Próximo da Ponte Luis I  na Av. Gustavo Eiffel



No Largo de São Domingos


alguns já apresentam as marcas do tempo...


Rua da Assunção - ao lado da Torre dos Clérigos

Foi um leitor do blog, que uma vez me chamou a atenção par estas raridades tão lindas, ele passou-me inclusive o link do blog: Arte, Livros e Velharias, que fazia uma verdadeira "caça" aos telhões de faiança que só são encontrados predominantemente no Norte do país. 
Eram fabricados na sua maioria na Fábrica de Cerâmica Devesas e na Fábrica de Santo Antonio de Vale da Piedade, ambas em Vila Nova de Gaia.

Passei então a andar sempre com atenção para os beirais das casas e edifícios.
Num passeio pelo Parque de São Roque, deparei-me com uma antiga casa palaciana infelizmente em estado de degradação, mas que mantinha os telhões de faiança em toda a volta da casa, praticamente intactos, lembro-me que fiquei por ali longos minutos a apreciá-los







E do outro lado do rio, em Vila Nova de Gaia, a Casa-Museu Teixeira Lopes, além do fantástico espólio de um dos mais famosos escultores portugueses e outros artistas, exibe nos seus beirais, estas belezas que eram fabricadas a poucos passos dali, na antiga e infelizmente extinta Fábrica das Devesas e que chegou a ser a maior fábrica de cerâmica do país...






Extremo bom gosto da arquitetura do século XIX...



Todos os motivos para andarmos com o olhos bem atentos e ao alto.
Porque os telhões de faiança...encantam!