sexta-feira, 26 de abril de 2013

O Porto, os cravos e o 25 de Abril!


Casal de senhores passeando com cravos vermelhos

Como é  comemorado o  Dia da Liberdade em Portugal e no Porto:


O que é o 25 de Abril - A Revolução dos Cravos


Eu adoro o dia 25 de Abril!
Para quem não é de Portugal e não conhece a história, um breve resumo:
O dia 25 de Abril é o dia em que se celebra o fim da ditadura em Portugal, que estava instalada  no país desde 1926, tendo como seu principal protagonista, Antonio de Oliveira Salazar que institui um novo regime em Portugal, conhecido como o Estado Novo, graças à mudança da Constituição.
Foram longos 48 anos que colocou Portugal, num regime ditatorial, totalitário, mantendo o controle ideológico e social sobre a população. Foram períodos em que Portugal ficou atrás dos avanços alcançados por outros países, além de cenários de fome e pobreza em muitas regiões do país, obrigando muitas pessoas a rumarem em direção ao Brasil (época em que as famílias dos meu pais foram para lá), França, Suíça, Estados Unidos, Canadá e outros.
à partir de 1961 as colônias africanas, Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, iniciam movimentos revolucionários de libertação e Salazar inicial então a Guerra de Ultramar, mandado para estes países, milhares de portugueses para combater aquelas revoluções.
Depois de mais de 10 anos, já Salazar havia falecido e sendo substituído por Marcello Caetano, numa guerra que sentiam que não daria em nada, e que deixava cada vez mais Portugal numa situação fragilizada, as Forças Armadas, decidem organizar um golpe de estado para retirada de Marcello Caetano do poder.
Um movimento que juntou militares e estudantes, preparando por quase um ano a queda desse regime. E no dia 25 de Abril de 1974 o plano foi colocado em prática. E por isso comemora-se o Dia da Liberdade em Portugal.

pai e filho na rua cada um segurando um cravo vermelho

Uma revolução e os seus sinais: duas músicas


 O que me encanta nisso tudo é que, em primeiro lugar, as senhas para se dar início a este golpe eram músicas... sim a música E Depois do Adeus, de Paulo Carvalho e que venceu o Festival da Canção daquele ano, tocaria na rádio dos Emissores Associados de Lisboa às 22:55h (a senha) e Grândola Vila Morena de Zeca Afonso tocaria meia hora depois na Rádio Renascença (a contra-senha).
Estes foram os sinais para que as tropas militares saíssem dos quartéis em direção à Praça do Governo, onde tomariam as radios de comunicação para informarem à população o que iria se passar e para impedirem Marcello Caetano de exercer as suas funções a partir daquele dia.

As músicas que foram os sinais da Revolução:





Os cravos


Logo pela manhã, a maioria das pessoas ainda não  não entendia o que se passava. Uma funcionária de um restaurante, D. Celeste Caeiro, que trabalhava num restaurante no centro de Lisboa, com um ramo de cravos que trazia nas mãos, ao perguntar para um dos soldados o que se passava, este afirmou que estavam ali para tirar Marcello Caetano do poder. O soldado, pediu-lhe um cigarro, e ela disse-lhe que não tinha cigarros, mas lhe dava um cravo. O soldado agradeceu e colocou o  cravo no cano da sua arma. Este gesto repetiu-se por todos ao seu redor.

vários cravos vermelhos num vaso

soldados militares com cravo vermelho no cano da arma
foto retirada da internet


Os cravos passaram a ser o símbolo da liberdade e do agradecimentos àqueles capitães que protagonizaram aquela revolução que ganhou o nome de "Revolução dos Cravos de 25 de Abril". Uma revolução que deu início a um processo de transição da ditadura para a democracia, onde os militares apenas estiveram no poder por um período de aproximadamente 2 anos, quando se fizeram as eleições democráticas que elegeram o primeiro presidente de uma nova era, Mário Soares, conhecido como pai da democracia.
Neste dia, os cravos estão por toda a parte. Eu não consigo passar um 25 de Abril sem o meu:





Uma publicação partilhada por o Porto encanta | Rita Branco (@oportoencanta) a



O 25 de Abril no Porto


Em 1974 o Porto amanheceu sem perceber muito os acontecimentos em Lisboa, mas por volta das 17h as pessoas já começaram a se movimentar em direção à Praça da Liberdade onde os soldados militares puderam ir passando mais informações. E onde então se começou a celebrar o golpe.
E até hoje, os portuense de deslocam até à Praça da Liberdade e à Avenida dos Aliados, o coração da cidade, para festejar o 25 de Abril - Dia da Liberdade. 
Sair na rua por sair, para comemorar o ir e vir. Para nunca se esquecer dos tempos duros que se passaram naquele 48 anos do Estado Novo. 
Há muita música, desta vez não somente as duas que são o símbolo da revolução, mas muitas outras.
As floristas estão por lá a vender  os cravos com um sorriso no rosto a fazer  chegar às pessoas o símbolo da revolução.

senhora com cravo vermelho na mão e balde com cravos aos pés oferecendo para uma menina que passa


vaso azul com  cravos vermalhos



Senhora a mostrar um ramo de cravos vermelhos

várias pessoas passeando com cravos vermelhos nas mãos

senhora com um cravo vermelho na mão

duas mulheres com cravos vermelhos na cabeça
os turistas também participam da festa!
Sem derramamento de sangue, com músicas e com flores. Um revolução que encanta!
Um feriado nacional onde as pessoas o que querem fazer é sair às ruas para comemorar a Liberdade!


 Vem para o Porto e região?

mapa, planer de viagem e caneta

quarto de hotel

3 comentários:

  1. Olá! Estou a gostar de cada artigo que tem aqui colocado.
    Seja como for, não consigo deixar de corrigir uma coisinha:
    A música que serviu de "senha" para o 25 de Abril de 1974 foi a "E depois do adeus" de Paulo de Carvalho. A "Grândula, Vila Morena" de Zeca Afonso, foi a contra-senha (como quem diz, a dar a confirmação de arranque para Lisboa).
    Beijinho,
    Telmo Cunha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  2. Olá Telmo!
    Muito obrigada pela sua correcção.
    Vou já arrumar isto!
    Continue a acompanhar o Porto encanta
    Um beijinho também!

    ResponderExcluir