quinta-feira, 22 de agosto de 2013

"O Amor de Perdição" e a Cadeia da Relação...

Inspirada no post anterior, sobre as Varandas com História, quando observamos ali  ao lado da varanda do Tribunal da Relação, a janela da cela onde ficou preso o famoso escritor Camilo Castelo Branco, voltei para uma nova visita a este emblemático edifício, para saber um pouco mais sobre ele (há um post anterior sobre este edifício que pode ler: AQUI)...

ao alto e à esquerda, a janela da cela do famoso escritor
Camilo Castelo Branco é um escritor que me remete aos tempos de escola quando tive que ler "Amor de Perdição" e também "Memórias do cárcere", e por isso a Cadeia e o Tribunal da Relação, chamam a atenção, por saber que ele ali esteve preso, assim como a sua amada Ana Plácido. Presos por serem amantes.
E homenageados na belíssima escultura ao lado daquele edifício...


O edifício que hoje pertence ao Centro Português de Fotografia, foi construído muito próximo por onde passava a Muralha Fernandina, e ali onde hoje é a porta principal, era a porta da prisão...


E na estreita rua ao lado, onde também está o Mosteiro de São Bento da Vitória, encontrava-se a porta de entrada para o Tribunal da Relação...


Apesar de estarem no mesmo edifício, o Tribunal e a Cadeia, diferenciavam no seu estilo arquitetonico. A Cadeia obviamente com seus traços e condições mais frios, e o Tribunal apresentava melhores acabamentos, que podem ser observados na Sala do Tribunal...




A sua sala de espera, em grandes dimensões, tinha como propósito, causar um efeito psicológico de inferiorização aos presos que ali aguardavam o seu julgamento...


A zona onde se encontrava a Cadeia, é também uma edificação fantástica...




Os presos eram distribuídos nos espaços da Cadeia de acordo com os crimes cometidos ou pela sua condição social, uma vez que podiam pagar para estarem nas melhores celas.
No primeiro piso, onde hoje estão as principais salas de exposições de fotografias, encontravam-se as chamadas Enxovias, onde de 40 a 70 presos estavam em piores condições, com chão e paredes em pedra, sem portas, apenas com acessos através de alçapões.
No segundo piso, estavam as selas para no máximo 6 presos, com chão em madeira (mais aquecidas) e ali encontra-se hoje a Cela Feminina que está mantida nas mesmas condições, quando o edifício foi entregue para ser remodelado.
Podemos ver detalhes de paredes que que eram decoradas e pintadas, longe da frieza das Enxovias do primeiro piso...






Temos também entre outras informações, a relação da fotografia com os presos... a máquina que os fotografava para a identificação...


A caminho do terceiro piso, mais detalhes...






Para chegarmos a este piso que hoje apresenta exposições permanentes de muitos equipamento fotográficos de diversas épocas...


E era neste piso que dava acesso à enfermaria onde ficou presa Ana Plácido, que também estavam as celas individuais, entre outras a famosa sala São João onde ficou preso por aproximadamente um ano, o escritor Camilo Castelo Branco...



É também onde se encontra um modelo de uma porta original destas celas...


E onde podemos contemplar uma vista no mínimo inspiradora, de onde ele escreveu "Memórias do Cárcere"...



Fica esta sugestão para quem vem ao Porto e para quem vive no Porto... ver excelentes fotografias através de um edifício tão emblemático e tão forte, em todos os sentidos, que fez parte da história da cidade e com muitas histórias por entre as suas paredes e grades...


Todas as informações:
http://www.cpf.pt/

Um comentário: