terça-feira, 20 de agosto de 2013

As varandas do Porto... com histórias.

As fachadas dos edifícios da zona mais antiga do Porto, ora encantam pelos azulejos, ora encantam pela quantidade de varandas.
As varandas do Porto fazem parte do cenário da cidade principalmente no Centro Histórico.
Uma cidade que sempre foi muito voltada para o comércio, tinha como tradição a construção dos edifícios de 3 andares, onde no primeiro andar ficava a loja e nos andares acima viviam os donos daquele comércio.
E lá estão as varandas... em toda a parte.





São tão significativas que até ganharam um Festival para as homenagear...


O Festival Varandas realiza uma série de eventos nos fins de semana de 02/08 a 06/09, todos eles em varandas da cidade.
No último Sábado, o Festival organizou um percurso guiado chamado: "Varandas com História" protagonizado pela produtora teatral Gisela Duque Pereira, que com muita boa disposição e interpretação levou-nos a um passeio muito interessante por algumas varandas com Histórias e outras importantes referências em estilos arquitetonicos.
E esta viagem pelas varandas começou em frente ao antigo edifício emblemático da Cadeia e do Tribunal da Relação, onde hoje funciona o Centro Português de Fotografia...

um post sobre este edifício: AQUI

A imensa varanda daquela fachada dava acesso à capela da cadeia e é ali onde os presos condenados à pena de morte passavam a sua última noite, muitos deles a olhar para o relógio da Torre dos Clérigos, logo ali a frente, a contar as últimas horas das suas vidas...


Não parece, mas a entrada principal deste edifício ficava na Rua São Bento da Vitória onde era a porta do Tribunal. E onde também havia uma varanda, e aqui paramos para observar a janela da cela ao lado desta varanda que é onde ficou vários anos preso o famoso escritor Camilo Castelo Branco...


Seguimos pela Rua São Bento da Vitória e páramos na esquina com a Rua de São Miguel, onde encontra-se esta casa muito antiga com azulejos fantásticos em toda a sua fachada, inclusive na varanda. Azulejos estes que pertenciam ao Mosteiro de São Bento da Vitória, que na época do Cerco do Porto por D. Miguel, como as tropas não podiam atacar edifícios particulares, com o objetivo de os proteger, alguns dos azulejos foram retirados do Mosteiro e  aplicados nesta casa...



Dali entramos numa propriedade privada onde encontramos o Miradouro da Vitória, bem ao lado da Igreja da Nossa Senhora da Vitória e é a partir deste Miradouro que temos uma vista maravilhosa para o Porto, onde a Gisela nomeou aquela que é uma "grande varanda" com uma das melhores vistas da cidade, um momento para desfrutar...



As próximas varandas, estas muito típicas, estão na Rua das Taipas, e a curiosidade ali é que a Rua das Taipas tem este nome, porque num período de pestes na cidade, a rua foi entaipada para ali ficarem os doentes em quarentena, sem contato com os outros habitantes da cidade...


Uma pausa na sombra do Jardim da Cordoaria, onde a Gisela nos explicou que ali era um espaço onde funcionava uma grande feira e que depois, foi transformado num imenso jardim com uma significativa diversidade de plantas e flores, devastado em 1941 por um ciclone, sendo depois reconstituído e transformado no atual jardim. (pode conhecer mais sobre o Jardim neste post:AQUI
E a volta do Jardim da Cordoaria, mais varandas...


Ali logo ao lado, na Praça dos Leões (Praça Gomes Teixeira), um giro de 360º para observarmos 3 estilos diferentes de arquitetura e uma viagem no tempo.
A Igreja do Carmo do século XVIII, no estilo Barroco-Rococó...

Um post sobre a Igreja do Carmo: AQUI

 O edifício da Reitoria da Universidade do Porto do século XIX, no estilo Neoclássico...


E finalmente, o que mereceu a nossa atenção: o edifício dos Armazéns Cunhas, do século XX, com o seu estilo Art Déco, linhas retas por toda a fachada e na sua grande varanda. Muito diferente do que estamos habituados a ver na zona histórica da cidade...


A Livraria Lello, apesar de não ter propriamente uma varanda, mas sim, um conjunto de três janelas, que parecem uma varanda, merece a nossa apreciação, por tratar-se de uma fachada belíssima no estilo Neo-Gótico, apresentando duas figuras que representam a Arte e a Ciência...

Um post sobre a Livraria Lello: AQUI
Na Rua Cândido dos Reis, a raridade de uma varanda no estilo Arte Nova (Art Nouveau) do princípio do século XX, que ia no sentido contra-corrente das linhas retas do estilo Art Decó, e privilegiava as curvas, a volta à origem valorizando o trabalho artesanal, a natureza, as formas orgânicas. E aqui um exemplar fiel a este estilo na sua fachada e na sua varanda...





Na esquina da rua da Fábrica com a Rua do Almada, onde algumas varandas ainda encontram-se degradas e outras já reabilitadas apresentam melhor aspecto, a referência é para o Governador do Porto em meados do século XVIII, João de Almada Melo, conhecido por fazer grandes mudanças urbanísticas na cidade, construindo novas ruas, tirando a cidade do carris medieval das suas muralhas, um novo Porto...



E o percurso "Varandas com História" termina na Avenida dos Aliados, repleta de varandas nos mais diversos estilos...



Mas o que nos levou ali, foi uma varanda imaginária... a varanda da antiga Câmara Municipal do Porto, que para minha surpresa e de outros que participavam do percurso, existia num edifício que ali já não está, logo atrás da estátua de D. Pedro. E na varanda da antiga Câmara Municipal do Porto que foi proclamada a República no Porto, em 31 de Janeiro de 1891.

foto: porto.taf.net
O edifício  foi demolido em 1921, e a nova Câmara Municipal do Porto hoje se encontra imponente mais ao alto da Avenida dos Aliados.


Mas, todos os anos no dia 31 de Janeiro, é feita uma reconstituição da Proclamação da República, nesta varanda do Banco de Portugal que fica de frente para o espaço onde se encontrava o antigo edifício da Câmara, para homenagear a República que foi proclamada naquela que hoje é uma varanda imaginária......


E  o Porto é assim mesmo... numa manhã de Sábado, através de um passeio cultural, em boa companhia, conhecemos mais um pouco desta cidade, que sempre tem muito para nos contar!

Gisela Duarte Pereira do Festival Varandas, Lurdes Diogo(do Porto) uma antiga amiga do Blog, Carina Hoi (de Macau) uma nova amiga do Blog, eu e Mirró Pereira do Festival Varandas

Porque o Porto encanta e as suas varandas também!

Informações sobre o Festival Varandas e a sua programação: AQUI

2 comentários:

  1. Lindo lindo... Admirável o conteúdo que te preocupas em descrever com embasamento e beleza!
    Se eu não conhecesse já um pouco do Porto, certamente ia querer conhecer depois de ler teu blog... mas desperta o desejo de ir mais fundo, de percorrer mais ruas, de perguntar mais!! Até breve, no Porto!!
    Luciana Azevedo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Luciana, o Porto é uma cidade a descobrir sempre... quantas vezes você vem, mais coisas a descobrir! um beijinho e obrigada!

      Excluir