900 anos do Cabido Portucalense, 900 anos de história da cidade.

Um ator com trajes de Bispo num altar de talha dourada



No início de Dezembro de 2014 a Sé Catedral transformou-se num grande palco para receber uma interpretação teatral muito especial. Um espetáculo acompanhado de coro e orquestra e que contou com a participação de 60 figurantes e também com a participação popular.
A apresentação "Santa Maria do Porto, o tempo e a memória" apresentou através de narrativa e interpretação, a história da nomeação do primeiro bispo do Porto no ano de 1113.
Em tempos onde a igreja e a política eram intimamente ligados, assistir a um espetáculo destes foi aprender um bocado sobre a história do Porto.



A Catedral do Porto com iluminação azul e o seu altar mor de talha dourada

O altar mor de talha dourada da Catedral do Porto e algumas pessoas sentadas nos bancos

Duas imagens. Uma de uma parte de uma orquestra e outra com componentes de um coro.

Duas imagens. Uma com homens e crianças com vestimentas pretas e Chapéu branco   e outra com doi homens com vestes medievais


Um ator com roupas de bispo no altar mor da Catedral do Porto a falar com algumas pessoas sentadas

Francês, vindo da Sé de Compostela, D. Hugo foi uma figura importantíssima na história da cidade.
Restaurou a Diocese do Porto, separando-se assim da Diocese de Braga, criou o Cabido Portucalense, uma comunidade de eclesiásticos que aconselhava o bispo nas suas funções da Diocese.
Iniciou a construção da atual Catedral e mandou também construir  a Muralha de Pena Ventosa, a muralha defensiva do burgo, construída sobre as ruínas da antiga muralha romana.

Entre narrativas, música e interpretações, fiquei a saber mais um bocado sobre um período tão antigo e tão importante da cidade do Porto... 900 anos de história!

Tudo contribuiu para a reconquista cristã aos árabes que já haviam ocupado boa parte da Península Ibérica entre os séculos VIII e XIII.

Um ator com roupas de cónego a falar com outras pessoas

Uma mulher com roupas medievais a ler um decreto para um homem com roupas de bispo

Uma mulher com roupas de condessa e uma criança a olhar para ela

Em 1120 D. Teresa de Aragão, mãe de Afonso Henriques, o I rei de Portugal, doa todas as terras do Condado Portucalense, onde o Porto pertencia, ao bispo D. Hugo e este passa então a reger o Porto.

 D. Hugo rapidamente ficou muito próximo da população da cidade.


E o melhor deste espetáculo, foi quando o bispo, em oração com o seu Deus, afirmando que as gentes do Porto eram muito diferentes e especiais, com uma identidade muito própria, pede  a Deus proteção.
Proteção para governar a Igreja e as gentes do Porto!

900 anos se passaram, e D. Hugo tinha razão, as gentes do Porto são mesmo especiais!
Fazem parte da história da cidade, da sua identidade... e encantam!

Santa Maria do Porto - o Tempo e a Memória:

Direção Musical: Dr. António Ferreira dos Santos
Texto: Prof. Doutor Luís Carlos Amaral
Direção de Guarda-Roupa: Manuela Bronze

Encenação: Júlio Cardoso

Comentários

  1. Texto muito bom. Na época D Hugo veio da Sé de Compostela. Compostela pertencia a Portugal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo seu comentário. Compostela pertencia à Galiza (Espanha)

      Excluir

Postar um comentário

Reserve Aqui a Sua Hospedagem:

Booking.com