sexta-feira, 28 de março de 2014

Lendas, histórias e a melhor vista para o Porto... rompendo os sapatos em Gaia.

Na outra margem do rio Douro em Vila Nova de Gaia, também existem lendas e histórias.


E foi em Gaia que eu acompanhei mais um percurso "Romper os sapatos" com o historiador Joel Cleto.
Que desta vez contou lendas sobre a Peste Negra, o Castelo de Gaia e o Rei Ramiro. 



Um percurso que começou  às margens do rio onde, nos tempos em que os árabes queriam dominar a Europa, era uma espécie de divisão: de um lado do rio, estavam os mouros e do outro lado, os cristãos. 
Um percurso que vai passar por caminhos com vestígios medievais em Vila Nova de Gaia e que vai nos levar ao local onde existiria um castelo, conhecido como o Castelo de Gaia. Com uma vista sobre o rio... fantástica.

Começamos em frente ao atual Espaço Cultural Corpus Christi. Onde em 1345 foi fundado, por uma fidalga D. Maria Mendes Petite, o Convento de Corpus Christi, para religiosas dominicanas. Um belíssimo edifício em estilo barroco.



Já no seu interior, Joel Cleto além de apresentar as características do edifício e as suas salas, conta-nos lendas relacionadas à Peste Negra que assolou a Europa Medieval.
Lendas estas, onde religiosas em devoção às imagens dos santos no interior do convento, nomeadamente as imagem de um Cristo na cruz e de São Domingos, pediam a cura das madres e freiras que adoeciam em consequência da Peste Negra.

Optei em não fotografar o interior do atual Espaço Corpus Christi, em respeito aos sinais...


Apenas, atrevi-me a tirar esta fotografia da belíssima imagem do Cristo com quem uma das freiras conversava, a pedir a cura das freiras atingidas pela Peste Negra. E segundo dizem, é um Cristo que gosta de "conversar", por isso até hoje ainda entram pessoas no Espaço Cultural Corpus Christi e  ficam ali a conversar com a imagem...


Um espaço lindíssimo que vale a visita. A entrada é gratuita e está ali bem na margem do rio Douro próximo às caves do vinho do Porto.

Vai começar então a nossa ida ao local onde teria existido o Castelo de Gaia. Vestígios de diversas épocas, ajudam a identificar a existência deste castelo.


Joel Cleto começa então a nos contar a Lenda do Castelo de Gaia e do Rei Ramiro. Esta vai ser a lenda que ele vai nos contando em fases durante as paragens do nosso percurso até "tomarmos" o Castelo de Gaia.

Diz a lenda, que o rei Alboazer, mouro, cujo reinado ia da região deste lado do rio até Santarém, teve uma irmã sequestrada pelo rei Ramiro II de Leão (Astúrias). Este, o rei cristão.
Para se vingar, o rei Alboazer resolve sequestrar a mulher do rei Ramiro II, D. Gaia.
O problema maior é que... o rei mouro apaixonou-se pela rainha cristã. E vice-versa!

Vamos então romper os sapatos, subindo a Rua de Rei Ramiro...



observando a beleza dos antigos armazéns do vinho do Porto...


e espreitando a vista...



Na primeira paragem, uma curiosidade: o Joel Cleto nos aponta para a Quinta do Campo Belo, e nos revela que ali no seu interior se encontra a mais antiga árvore de camélias, vinda do Japão, plantada na região do Porto.




Mas esta paragem na esquina entre a Rua de Rei Ramiro e a Rua da Fonte Nova, onde existe uma fonte, serviu para dar-nos seguimento à Lenda.



Para se vingar, o Rei Ramiro juntamente com o seu filho seguiram em direção à Gaia, já com um plano a executar.
Numa antiga fonte, o rei, disfarçado de peregrino encontrou uma das aias da sua esposa  e pediu-lhe um bocado de água, enquanto isto conseguiu enfiar o seu anel no recipiente onde estava a levar a água para servir a rainha, com a certeza de que ela o reconheceria, porque tinha um anel semelhante.
Mas a rainha, ao ver o anel que  logo reconheceu e desconfiada de traição mandou a aia busca-lo e ordenou a sua prisão no castelo.
Ordenou também que não lhe dessem água nem comida, mas a aia, que já havia caído nos encantos do rei Ramiro, ia lhe mantendo alimentado.

Seguimos rompendo os sapatos e apreciando ainda mais a vista, até a Rua do Castelo, para sabermos mais sobre esta lenda...




No caminho, marcas árabes na arquitetura das casas atuais...



e mais uma paragem...




O rei Alboazer ao voltar de uma viagem e ao saber que  o rei Ramiro estava preso no Castelo, foi ter com ele e numa conversa, o rei cristão sugere a sua própria execução durante uma grande festa no Castelo. Isto já com a ideia de conseguir uma maneira de comunicar com o seu filho. E assim o fez. Tocou num corno de caça, o sinal combinado. E o seu filho percebendo o sinal, preparou uma grande invasão ao Castelo.

Também "invadimos"...



E conquistamos aquele terreno, hoje uma propriedade privada, onde nos foi permitido entrar e desfrutar daquele espaço onde existiria o Castelo de Gaia.

E a lenda, diz-nos que o filho do rei Ramiro e os seus aliados, enquanto o rei mouro estava concentrado em preparar uma grande festa no castelo para executar o rei cristão,  conseguiram ali invadir e devastar o Castelo, matar o Rei Alboazer e salvar o rei Ramiro. Este leva para o barco a rainha Gaia, amarra-lhe uma pedra ao pescoço e a joga no mar.
Que lenda! Daria um bom filme!

Fica a certeza: quando dizem que a melhor vista do Porto está em Vila Nova de Gaia, não é lenda. É a pura verdade...




Vamos voltar para a margem do rio, desta vez por outros caminhos.
Por sugestão do Joel Cleto, vamos romper os sapatos por entre as ruelas medievais de V.N. de Gaia...





descobrir recantos. Um deles é a pequena Capela de Nossa Senhora da Bonança/Capela do Bom Jesus de Gaia...


de repente, alguém nos abre a porta e nos permite conhecer o seu interior...





E nos mostra o caminho para as traseiras onde temos esta vista... fantástica!


Depois, por entre ruelas e pequenas escadas, chegamos à margem do rio, bem à frente do edifício da antiga Alfândega do Porto, para ouvirmos mais histórias do Joel Cleto, sobre a atividade mercantil daquela região e da importância do rio, do mar, das embarcações e das  atividades economicas.



Tempo ainda para observarmos a marca de uma grande cheia em 1909...


e tempo para usarmos  o passadiço sobre o rio que vai nos levar ao nosso ponto de partida...


prontos para rompermos os sapatos num próximo percurso!

13 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada Palmira! :) Beijinhos e bom fim de semana

      Excluir
  2. Gostei. O Joel que se ponha a "toques" já que surge uma potencial corrente às suas histórias e lendas. hihihihi. Os meus parabéns por conseguir usufruir do "passeio", conviver com os restantes "rompedor de sapatos" e por nos brindar com esta "reportagem".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada disso Castelo! Sem o Joel não é possível fazer esta reportagem! :) :)
      Um beijinho e obrigada! É sempre um prazer romper os sapatos com vocês!

      Excluir
  3. Mas porque não subiram até ao sítio do Castelo ? O Joel teve pena das vossas perninhas ? Mas eu não conseguia subir desde a marginal. Mas o autocarro leva-nos até meio caminho da Rua Rei Ramires. Depois é passar ao lado do antigo Asilo dos Cegos e subir até bem ao cimo, em caminhos cheios de histórias. Imagens Belíssimas. Parabens.

    ResponderExcluir
  4. Sr. Jorge, sugiro que leia novamente este post, uma vez que vai pode observar que subimos a caminhar a Rua de Rei Ramiro até o sítio do Castelo, de onde desfrutamos de uma excelente vista e de onde o Joel continuou a contar-nos a Lenda do Castelo. Obrigada. Cumprimentos.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia. Tomei conhecimento da existência deste blogue há muito pouco tempo.
    Gosto muito do seu trabalho. Parabéns.
    António

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada António!
      Seja bem-vindo ao Porto encanta :)
      Rita

      Excluir
  6. Cara amiga. Não fiz críticas negativas. Ponto. Mas o sítio do Castelo só termina bem no alto, junto a uma memória de uma Senhora. Não me lembro agora qual é. E como não a vi, achei que faltou esse pequeno caminhar de mais uns 300 metros. Certo ou errado ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Jorge, levei o grupo mesmo até ao alto :) No ultimo socalco do Asilo dos Cegos. A "memória" a que se refere é um daqueles pavorosos "quiosques" de N. Sra. de Fátima que foram moda nos anos '80 :( Quando lá escavei, em 1983, ainda não havia o " mostrnho". Abraço.

      Excluir
    2. É verdade,
      Caro Joel. Presumo que o alto é junto ao mamarracho. E custa bem chegar lá acima. Um abraço

      Excluir
  7. Os meus sinceros parabéns pela bela narrativa numa simbiose agradável com as fotos.
    Um abraço e até breve,
    António Maia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada António Maia! Até uma próxima :)

      Excluir