sábado, 16 de novembro de 2013

Uma viagem no tempo... no Museu do Carro Eléctrico!

Sim, o Eléctrico se escrevia com "c" e é assim que eu vou escrever esta palavra neste post.
Primeiro, porque eu não me dou muito bem com o tal acordo ortográfico e segundo, em homenagem a este meio de transporte tão antigo e tão importante para a cidade do Porto, nada melhor do que escrever como ele sempre foi conhecido, o Eléctrico. Simpaticamente chamado de bondinho pelo brasileiros...


A visita guiada ao Museu do Carro Eléctrico, fez parte da Rota dos Museus de Outono, com o tema: "Hábitos e Costumes do Porto", promovida pela Câmara Municipal. Por motivos de obras que estão a decorrer no Museu, não é possível visitar a exposição dos primeiros Carros que faziam o transporte público na cidade, aqui vistos apenas a partir da porta da loja do museu...


Mas, o Museu do Carro Eléctrico tem uma solução fantástica para nos contar a história do transporte público no Porto enquanto as obras acontecem nas  suas instalações: é uma viagem num eléctrico pela cidade que acaba por ser muito mais interessante e divertida...


Interessante, porque é apresentada por um guia que é o Pedro Rocha que também é guarda-freio (o nome do condutor de um carro eléctrico). E divertida, porque foi acompanhada por duas "vendedoras de peixe", uma representação fiel daquelas senhoras que muito utilizavam os eléctricos para se deslocarem pela cidade para venderem os seus peixes...



Com o seu jeito muito particular de falar e de  lidar com as pessoas, as "peixeiras" animaram a viagem...



O peixe "fresquinho"...


E assim começou a viagem, a partir da garagem dos eléctricos onde fica o Museu, em Massarelos...


O Pedro Rocha começa então a mostrar os exemplares dos mais antigos carros, desde os primeiros Carroções puxados por bois no início do século XIX, que andavam a 5km/h e demoravam um dia inteiro para fazer uma viagem da Foz ao centro do Porto...


Passando pelo Carro Americano que era com tração animal, quando começaram a ser utilizados os cavalos, e que já transportavam então mais passageiros...


Até o surgimento do carro eléctrico no Porto. Quando teve a sua viagem inaugural em 12 de Setembro de 1895, como este que estávamos a utilizar...



E só em 1912 é que foi habilitado o primeiro eléctrico para atravessar o tabuleiro superior da Ponte Luiz I, onde hoje passa o Metro.
Durante o nosso percurso, impossível não admirar e se encantar com a paisagem.
O rio Douro...


O casario típico do Porto...


A Torre dos Clérigos...


As Igrejas...


Os outros eléctricos...


Mas há quem está lá fora e também adora admirar os eléctricos quando eles passam...



Durante esta "viagem no tempo", o nosso guia/guarda-freio vai nos contando pedaços da história dos lugares por onde vamos passando.Como por exemplo a abertura da Rua da Restauração através da Santa Casa de Misericórdia para dar acesso ao Hospital Santo Antonio...


Histórias fantásticas sobre o que acontecia nas viagens dos eléctricos em outros tempos. Como o tempo em que as crianças até um metro de altura, não pagam bilhetes, e havia no carro uma marca para que o fiscal as medissem quando entravam. Mas os pais, instruíam os seus filhos a dobrarem ligeiramente os joelhos quando eram medidos para parecerem mais baixos. Os fiscais, quando se deram conta, passaram a utilizar a ferramenta de picotar os bilhetes para baterem nos joelhos dos meninos e assim, instantaneamente, eles voltavam ao seu verdadeiro tamanho. Era um tempo em que eram os fiscais que pagavam a multa, caso alguém viajasse sem pagar o bilhete...


Outro caso e por isso, a presença das "peixeiras" na nossa viagem, é que no tempo em que estas senhoras faziam as viagens com os seus cestos de peixe nos eléctricos, os demais passageiros, se irritavam com o cheiro forte do peixe, e acabavam sempre por acontecer grandes discussões dentro do carro...



A ponto até de partirem os vidros dos carros, e por isso, havia ali um preçário para que os vidros que fossem partidos fossem pagos de imediato...


Numa viagem de eléctrico tudo podia acontecer. E na nossa, os imprevistos aconteceram, e sem serem previamente programados pelo pessoal da visita guiada.
Na subida da Rua da Restauração, após uma paragem no semáforo, o carro não mais saía do lugar... faltou tração... por isso, o nosso guia, teve que pegar um punhado de areia que se encontra embaixo de um dos bancos justamente para estas ocasiões e jogou-a nos trilhos para conseguirmos sair dali...



E mais a frente, já próximo ao Hospital Santo Antonio, o nosso guarda-freio, recebe uma chamada e tem que ir socorrer um outro eléctrico que estava com uma avaria próximo ao Jardim do Carregal. Por alguns minutos, o nosso guia Pedro Rocha, teve que ser o condutor do nosso eléctrico...


Para pensar: sem os telemóveis/celulares, e outros recursos, como era complicado resolver estas situações naquela época! Uma viagem realmente poderia demorar horas!
De volta à garagem no Museu do Carro Eléctrico, podemos observar então com mais atenção todos os detalhes deste meio tão importante para a cidade em outras épocas...


Todos aqueles cabos...



Os trilhos...


Os carros ali estacionados, tão bonitos...




Os detalhes nos seus interiores...




Na Loja do Museu, uma série de bilhetes daqueles outros tempos...


E outras recordações...




Hoje, ainda há muitos habitantes locais que gostam muito de dar uma volta nestes carros tão emblemáticos, e um passeio obrigatório para os nossos turistas...


Vale a pena passar pelo Museu do Carro Eléctrico e se encantar por este simpático meio de transporte da cidade....


Se pretende fazer uma viagem "guiada" no eléctrico como esta, é necessário organizar grupos de pelos menos 20 pessoas. E contactar o museus através do site:
www.museudocarroelectrico.pt



Exibir mapa ampliado

Nenhum comentário:

Postar um comentário