terça-feira, 16 de setembro de 2014

Do Porto para o Museu do Papel em Terras de Santa Maria.

Turismo Industrial é um conceito mais ou menos novo na área do turismo que consiste em conhecer unidades produtivas importantes em determinada região.

O Museu do Papel em Paços de Brandão em Santa Maria da Feira  a  aproximadamente 20 minutos do Porto, é um exemplo fantástico no que diz respeito a dar a conhecer a importância da indústria do papel naquela região. Está  instalado num antigo engenho papeleiro de 1822, o Engenho da Lourença, nome de uma mulher a frente do seu tempo que fundou esta que era uma das muitas unidades que fabricavam papel em Terra de Santa Maria.
Em 2011 o Museu do Papel recebeu o premio de melhor museu de Portugal...



Para além de contar a História do Papel em Portugal, o museu também desenvolve a atividade industrial, ou seja, também produz papel...


Em  todos os seus espaços, a integração das instalações modernas com a presença dos elementos da antiga construção da Fábrica de papel que ali existia, torna o ambiente muito interessante...







Tudo pensado sempre para melhorar o conforto dos seus visitantes...


Numa visita guiada pelo diretor do museu, o Dr. Marques da Silva, aprendi coisas incríveis sobre o fabrico do papel e da importância do mesmo nas nossas vidas e principalmente, na vida das pessoas que viviam  nas regiões papeleiras do país, nomeadamente ali em Terras de Santa Maria. 
Num espaço que mantém praticamente as características do Engenho da Lourença, começa o nosso contacto com as antigas técnicas de fabricar o papel...




Numa espécie de viagem no tempo, vim a conhecer que através de uma técnica trazida para cá pelos árabes, os primeiros papeis eram produzidos a partir de farrapos de tecidos. Sim, já existia desde séculos e séculos atrás, a reciclagem.
Atrevi-me então a produzir a minha própria folha de papel a partir de farrapos de tecido branco, que era separado para produzir os melhores papeis...


O "farrapeiro" era uma das profissões daquele tempo, onde os homens andavam a busca de restos de tecidos para venderem às fábricas de papel. Os tecidos brancos eram vendidos mais caros porque a partir deles se faziam o papel de melhor qualidade, já o colorido era utilizado por exemplo para fabricar papel de embrulho...








É emocionante ver o papel a surgir a partir daquela mistura da água com os farrapos...



 E aí está a minha folha de papel...


Com o passar dos tempos o papel passou a ser feito a partir dos restos do próprio papel...


Outras técnicas foram chegando...




por ali entra a água do rio Maior que faz a força hidráulica desta fábrica funcionar. Por isso todos os engenhos de papel terem sido instalados a beira de um rio...


Aqui, outros equipamentos para produção muito mais alargada de papeis...



Estando pronto, o papel que foi produzido através da força hidráulica, certamente apresenta  as sua folhas  molhadas. E é a partir daí que eu conheço mais uma das antigas profissões que hoje já não existe; as "botadeiras"...


Mulheres que carregavam imensos fardos de papel ainda molhado para o piso superior da fábrica para "botarem" o papel a secar...





as "botadeiras", botando o papel a secar

Papel muitas das vezes comprados pelas "saqueiras" que faziam sacos de embrulho para venderem em mercearias e outros comércios...



Mas não é só isso, há muitas outras coisas interessantes para conhecer. Em breve uma grande exposição será inaugurada contando tudo sobre a atual produção do papel, através da madeira das árvores.
É uma sugestão imperdível.
O Museu do Papel, é um espaço belíssimo que procura manter a originalidade tanto nos equipamentos, como na maneira de nos apresentar toda uma parte da história tão importante para aquela região e para o país. Faz- nos pensar em muitas coisas a respeito de tantas atividades que hoje não existem mais e da importância fundamental do papel no nosso dia-a-dia...



Uma visita que vale a pena ser feita. Para conhecer mais sobre o papel, a sua importância em Portugal  e para dar ainda mais valor ao trabalho de outros tempos. Principalmente se você "meter a mão na massa" para fazer a sua própria folha de papel. Vale a pena! Muito!

Museu do Papel
Rua de Riomaior, 338
Paços de Brandão - Santa Maria da Feira
todas as informações sobre visitas em:
www.museudopapel.org


8 comentários:

  1. Muito bem documentado e com imagens espectaculares. Parabéns Rita pelo teu excelente trabalho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sara obrigada pelo incentivo, sempre! E obrigada também pelas minhas fotografias :) um beijinho!

      Excluir
  2. Rita: excelente trabalho! Amei ver todo o processo!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isaura tem que ir ver pessoalmente, é lindo! Obrigada pelas palavras gentis! um beijinho!

      Excluir
  3. Matéria espetacular! Durante minha leitura fiz uma viagem até este lindo lugar, vivendo cada foto como estivesse ao seu lado, que viagem ao mundo do conhecimento, mesmo estando longe, pude conhecer um lugar tão lindo e fascinante. Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monica, a ideia é mesmo esta, fazer os leitores que estão longe "viajar". Obrigada por embarcar nesta viagem! Um beijinho!

      Excluir
  4. Parabéns Rita !!!

    What a (beautiful) coincidence: I recently visited Austria's last paper mill and learned how to make my own sheet of paper there, much like yourself !!! Even our photos look similar - have a look here: http://www.creativelena.com/en/travel-blog/hiking-destination-upper-waldviertel-culinary-creative-travel-tips

    So looking forward to meeting you soon on a creative visit in & around Porto !!

    Beijinhos,

    Elena :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yes Elena! It's so similar! What a great coicidence! Lovely!
      Beijinhos
      Rita

      Excluir