quinta-feira, 27 de junho de 2013

Banco de Materiais. Para preservar as fachadas do Porto!

O Banco de Materiais do Porto é um serviço super interessante que a cidade presta para a própria cidade.
Foi criado a 20 anos pela Câmara Municipal do Porto, com o objetivo de recolher todo o material das fachadas dos edifícios em demolição da cidade, como azulejos, gradeamentos de ferro, estuques e muito mais, para cadastrá-los, estudá-los e guardá-los a fim de deixar à disposição, tanto para o público em geral que gosta de conhecer mais sobre este material, como também ceder azulejos ou outro material de fachada para qualquer munícipe que esteja restaurando o seu edifício ou casa.


É um trabalho exaustivo feito pelos técnicos que fazem um levantamento pela cidade deste material. E também de conscientização dos proprietários dos edifícios para procurarem manter as respectivas fachadas, assim como solicitar a cedência dos materiais caso o edifício seja mesmo demolido.
Há também uma preocupação em esclarecer aos empreiteiros que todos os edifícios são "restauráveis" e que vale a pena manter a fachada original do mesmo do que deitar tudo abaixo.
Para o Banco de Materiais, esta preocupação em manter as fachadas estende-se por toda a cidade e não apenas na zona do Patrimônio Histórico.
Uma informação importante é que os jovens arquitetos, tem hoje uma preocupação muito grande em manter este estilo de fachadas na cidade.

É uma visita que vale muito a pena. Principalmente para conhecer mais sobre os azulejos.
São inúmeros modelos, diversos tipos, de diferentes épocas de fabricação...






Com muita informação técnica à respeito...


Os azulejos tiveram uma importância relevante na economia do Porto, numa altura em que haviam muitas fábricas deste material na cidade, quando as fachadas  passaram a ser revestidas pelos azulejos, dando uma beleza e colorido especiais à cidade.
Veja  AQUI um post que eu escrevi sobre os azulejos nas fachadas das casas, AQUI sobre as fachadas das Igrejas e AQUI sobre os maravilhosos painéis da Estação de São Bento.
Eu penso que tanto o fabrico como a criação de painéis de azulejos é uma arte muito especial. E muito do Porto. É uma beleza muito própria desta cidade.

Mas no Banco de Materiais, podemos encontrar e saber mais sobre muitos outros materiais como por exemplo, as antigas placas das ruas da cidade...



Grades de ferro e pisos...


As simpáticas mãozinhas para bater à porta...


Os belíssimos telhões/beirais de faiança...


Materiais de fachadas de um Porto medieval...


E tantas outras coisas...



Há por lá uma série de espécies de moldes metálicos, utilizados para os desenhos na cerâmica para uso doméstico, também muito fabricada aqui no Porto em outras épocas...



E ainda existe uma secção dedicada aos estuques belíssimos que tanto gostamos de ver quando olhamos para os tectos dos muitos espaços da cidade...






Para quem gosta desta arte do azulejo e tem a curiosidade de conhecer mais sobre os antigos materiais utilizados nas fachadas do Porto, é uma visita obrigatória. Pode ainda agendar uma visita guiada com alguns dos técnicos caso precise de alguma informação mais específica.

E se é proprietário de algum edifício do Porto e precisa de algum destes materiais para restaurar a sua fachada, também pode solicitá-los no Banco de Materiais.

Porque é do Porto, é lindo e é preciso manter!



Banco de Materiais do Porto
Praça de Carlos Alberto, 71
tl. +351 223393492
patrimonio-cultural@cm-porto.pt

De 2ª a 6ª Feira: das 10 às 12:30 e das 14:30 às 17:30 h
Sábado: das 10 às 12:30 e das 13:30 às 18 h
Entrada Livre



Exibir mapa ampliado

9 comentários:

  1. que lindo! daria para mandar pelo correio?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá Rita! A iniciativa de CMP é interessante. Melhor seria se houvesse possibilidade de devolver todo aquele espólio ao seu lugar de origem... ;) o Porto tem edifícios tão bonitos!

    Adorei as fotos! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada "Geopalavras"! Sem dúvida que o ideal era que tudo estivesse no seu lugar. Mas o facto de um técnico da CMP a 20 anos atrás ter tido a iniciativa de começar a recolher e guardar este material que ia-se perdendo com as demolições, já é louvável. Foi assim que começou o Banco de Materiais. Caso contrário estava tudo perdido por aí... Abraços!

      Excluir
  4. Adoreiiiiiii! Tenho mesmo de lá ir! !!!!!!!:-)

    ResponderExcluir
  5. Excelente trabalho......muito esclarecedor.

    ResponderExcluir