sexta-feira, 10 de maio de 2013

Bacalhau à Gomes de Sá. O Bacalhau do Porto!

A Casa do Infante/Arquivo Histórico do Porto, organiza diversos circuitos gastronômicos, promovendo assim, roteiros à pé pela cidade, dando a conhecer lugares e curiosidades  sobre importantes receitas portuenses.
Participei na semana passada de um roteiro sobre o famoso Bacalhau à Gomes de Sá

foto extraída do livro: Gastronomia Portuense do chef  Hélio Loureiro


Eramos um grupo pequeno mas super interessado em saber mais sobre a história deste prato tão típico da cidade, mas principalmente, saber mais sobre a influencia do bacalhau na vida dos portugueses e principalmente portuenses.
Tivemos o privilégio de nos fazer acompanhar por uma filha de um ex-comandante de um navio bacalhoeiro, que estava ali participando deste roteiro, porque o bacalhau, está totalmente ligado  à sua infância e juventude, quando o seu pai saía para a pesca do bacalhau nos mares gelados do norte europeu, e retornava à casa muitas vezes 3 a 6 meses depois. Aquele roteiro trazia de volta memórias de muitas emoções. Foi muito interessante trocar impressões com uma pessoa que viveu esta experiência.
A vida de quem pescava o bacalhau nunca foi fácil. Em finais do século XIX os pescadores portugueses partiam em embarcações de madeira e à vela e pescavam à fio.
Mesmo em tempos mais modernos, quando a pesca passou a ser com redes, este sempre foi um tipo de atividade dura e perigosa. Além de que, os navios só podiam regressar, quando estivessem cheios de bacalhau. O que muitas vezes, demoravam-se meses para acontecer...

Este roteiro do Bacalhau a Gomes de Sá, partiu da Casa do Infante, onde na Sala Memória do Arquivo Histórico, conhecemos um pouco mais desta história sobre a pesca do bacalhau.


A Casa do Infante está localizada bem na zona ribeirinha, e nas grandes salas onde hoje são salas de exposições, eram armazenados o bacalhau que chegavam no Porto.



E por essa razão à volta destes armazéns, moravam e se estabeleciam muitos comerciantes do bacalhau.
Aonde hoje é o atual Consulado da Noruega, no Largo do Terreiro, encontra-se o Cais da Estiva, onde acostavam os bacalhoeiros.




E ali, as muralhas fernandinas receberam o nome de Muro dos Bacalhoeiros...


 Onde se encontra a casa onde nasceu José Luis Gomes de Sá, filho de um grande comerciante do bacalhau .

Tudo ali, em frente ao Rio Douro...


José Luis Gomes de Sá, a uma certa altura da sua vida foi trabalhar como cozinheiro num restaurante no Porto chamado "Lisbonense". E foi lá que ele criou a famosa receita do bacalhau que acabou por receber o seu nome.
Este prato ficou então muito famoso, a receita atravessou o Atlântico, e no Brasil passou a ser muito apreciada por lá também.
E por isso, o Consul do Brasil no Porto, em 1988, o então Embaixador João Frank da Costa, decidiu homenagear o criador da receita, mandando colocar uma placa na parede externa da casa onde ele nasceu, no Muro dos Bacalhoeiros.


Fiz questão de partilhar com o grupo, a curiosidade de que o bacalhau em vários mercados no Brasil, é vendido como Bacalhau do Porto, certamente por toda esta história à volta do Bacalhau a Gomes de Sá.
O que muitas vezes confundem as pessoas, que acabam pensando que o bacalhau é pescado no Porto.

 Por entre os arcos do Muro dos Bacalhoeiros o roteiro segue...



E vai ao encontro do Mercado São João, uma das casas do comercio tradicional, muito famosa por vender
bacalhau de ótima qualidade...


Tudo por causa da larga experiência destes irmãos...


O Sr. João explica-nos detalhes importantes para escolher um bom bacalhau, que é 50% do segredo para que o preparo da receita seja bem sucedido...


E a Dona Mariazinha, cozinheira de mão cheia, descreve como prepara a receita do Bacalhau à Gomes de Sá...


Aqui a receita original:

“Pega-se no bacalhau demolhado e deita-se numa caçarola. Depois cobre-se tudo com água a ferver e depois tapa-se com uma baeta grossa ou um pedaço de cobertor e deixa-se então assim sem ferver durante 20 minutos. A seguir, ao bacalhau que está na caçarola e que devem ser 2 quilos pesados em cru, tiram-se-lhe todas as espinhas e faz-se em lascas e põe-se num prato fundo cobrindo-se com leite quente, deixando-o em infusão durante uma hora e meia a duas horas.Depois em uma travessa de ir ao forno, deita-se três decilitros de azeite fino do mais fino (isto é essencial), quatro dentes de alho e oito cebolas alourar. Ter já dois quilos de batatas (cortadas à parte com casca) às quais se lhes tira a pele e se cortam às rodelas da grossura de um centímetro e bota-se as batatas mais as lascas do bacalhau que se retiram do leite. Põe-se então na mesma travessa no forno, deixando-se ferver tudo por dez a quinze minutos. Serve-se na mesma travessa com azeitonas grandes pretas, muito boas e mais um ramo de salsa muito picada e rodelas de ovo cozido. Deve-se servir bem quente, muito quente.”

Quem não quiser ter o trabalho, e prefere comer está especialidade do Porto, apreciando também a cidade, pode ficar tranquilo pois muitos dos restaurantes da zona turística ou não, servem o Bacalhau a Gomes de Sá. 

Portanto, bem vindo ao Porto e bom apetite!

6 comentários:

  1. Um blog a seguir. Despertou-me interesse e vou tentar obter informações dos próximos passeios gastronómicos.

    ResponderExcluir
  2. Olá Rita,
    gosto de publicar vídeos de culinária ao estilo caseiro, no canal necasdevaladres no youtube.
    Chegou a vez de preparar uma receita baseada no bacalhau à Gomes de Sá e ao procurar informação para o efeito vim parar a este seu belo e atraente artigo, que era mesmo o que eu precisava e que muito me agradou.
    Se me permitir irei incluir um link para esta página.
    Obrigado
    Manuel Álvaro

    ResponderExcluir
  3. Olá Manuel!
    Obrigada! fico feliz que o meu post tenha colaborado com o seu trabalho. É claro que pode incluir o link tenho muito gosto. e vou seguir o seu canal também! Me avise quando o vídeo ficar pronto para que eu divulgue aqui também! Desejo-lhe muito sucesso!

    ResponderExcluir