sábado, 9 de novembro de 2013

No Museu Nacional da Imprensa... para ver as impressões à moda antiga e os cartoons atuais.

Há museus e ... museus.


E no Porto, o Museu Nacional da Imprensa é daqueles que entramos e deparamos com uma série de máquinas e olhamos para elas e pensamos: Como é que isto fazia jornais?

Encontra-se ali um espólio incrível que com o surgimento dos computadores, fizeram com que todo este equipamento virasse peça de museu.


E estamos falando de bem pouco tempo atrás, uma vez que o Museu Nacional da Imprensa foi inaugurado em 1997 e surgiu com o interesse de preservar muitas destas máquinas que deixaram de ser utilizadas com o rápido domínio da inovação tecnológica do setor das impressões.
Este é o tipo de museu que eu sugiro seja feita uma visita guiada, uma vez que através do conhecimento e das excelentes explicações da Vânia Meleiro, a responsável pelo Serviço Educativo do Museu, ficamos encantados em conhecer a evolução dos processos da impressão....


Uma viagem no tempo, onde imprimir era muito distante do que simplesmente carregar no "print" do computador...


Desde a fundição do chumbo para se fazer as letras ou as imagens e depois pela utilização da madeira para este fim...



Passando pela composição, que antigamente era um trabalho quase que artesanal, complicadíssimo.
Deixa-nos pensar o como era difícil preparar um texto para um jornal ou um livro...


Uma infinidade de tipos de letras guardadas em caixas e móveis desenhados exclusivamente para o setor...


Hoje, escolhemos a fonte que vamos usar na escrita do computador facilmente através do "Word" por exemplo, mas antigamente estas fontes estavam guardadas em gavetas, uma a uma...


E foi aí que tanto tempo a trabalhar na área da comunicação social é que eu descobri o porque de uma certa expressão utilizada na área das gráficas:
As letras eram separadas em caixas, de maneira muito particular, que iriam ser utilizadas pelos profissionais que faziam a composição dos textos.



Na parte superior desta caixa, ficavam as letras maiúsculas, e por isso a expressão "CAIXA ALTA", e na parte inferior as letras minúsculas: "caixa baixa".

As imagens também tinham as suas formas... muitas... de todos os tipos e tamanhos...


Surgiram tempos depois, as primeiras máquinas para a composição dos textos... igualmente complexas...






A visita segue para o setor da impressão... muito diferente quando comparamos com as nossas atuais impressoras...




Esta minha visita estava inserida no tema "Figuras do Porto", no programa Rota dos Museus, promovido pela Câmara Municipal do Porto


Aqui, um passado triste, onde os jornais antes de serem impressos, tinham que passar pelo exame prévio/censura...


E há ainda a parte das encadernações dos livros, onde surge também a arte da dourar as capas...



Quem ainda não viu o post sobre a arte de encadernar os livros, através da Invicta Livros a grande especialista do setor no Porto e em Portugal, pode ver: AQUI.
Um trabalho que é uma verdadeira obra de arte.


E além desta visita, encontramos no Museu Nacional da Imprensa, a Galeria Internacional do Cartoon, onde em várias salas, podemos apreciar uma série de cartoons de ilustradores de várias partes do mundo.



E os vencedores das últimas edições do Porto Cartoon  - World Festival. 
Este ano o tema era: Liberté, Egalité e Fraternité:

Na ocasião desta minha visita o tema era: Liberté, Egalité e Fraternité:




Tudo num edifício às margens do rio Douro, muito próximo da Ponte do Freixo, onde a paisagem também é espectacular. Depois da visita, vale a pena tomar um café por ali na Marina do Freixo e apreciar a paisagem...




Museu Nacional da Imprensa

todas as informações aqui:


Exibir mapa ampliado

Nenhum comentário:

Postar um comentário