sábado, 30 de junho de 2012

Peixe, Porto, Verão e Vinho Branco


O nome é grande:  Restaurante"Antiga Casa Zé da Guida" , mas é pequeno e típico.
Está fora do circuito turístico e do roteiro dos restaurantes gourmets.
Tem apenas 7 mesas no interior e umas 3 ou 4 do lado de fora.

É frequentado pelo próprio pessoal do Porto, mas há turistas mais exploradores que atravessam a ponte D. Luis I, seguem a margem do Rio Douro pelo lado de V.N. de Gaia no sentido da Afurada. E bem em frente à Alfandega do Porto lá está o pequeno  "Antiga Casa Zé da Guida".
O restaurante ideal para quem quer a tranquilidade e a simplicidade do Porto acompanhados de um bom peixe grelhado.


A vista é esta mesma, o Rio Douro e o edifício histórico da Alfandega do Porto.
O atendimento é familiar. Não há cardápios. Um dos donos vem nos sugerir os melhores peixes do dia.
E depois de escolher, lá vão eles para a brasa.


A agradável surpresa é que num dia quente de Verão, o vinho branco pode ser servido numas canecas de alumínio diretamente retiradas do congelador o que impede qualquer hipótese do vinho aquecer.
Simples e bom!


Enquanto esperamos aproveitamos para admirar as paredes do pequeno espaço cheia de objetos interessantes relacionados com pesca ou não e vários quadros que nos mostram um Porto antigo... uma viagem.





E lá vem elas, as sardinhas...


E o robalo...Bom apetitte!!!


É quase escondido, mas está mesmo ali na margem do Rio Douro. Com o Porto bem à frente.

Restaurante  "Antiga Casa Zé da Guida".
Rua Cais da Fontainha, 70
+351 915701389
(fechado ao Domingo à noite e à Segunda-Feira)

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Munna - Design do Porto para o mundo


A Munna, é uma empresa de design e mobiliário. Produz sofás, poltronas e cadeiras, que defino com a palavra: elegantes.
Está presente nas principais Feiras de Mobiliário do mundo e suas peças decoram hotéis em  Londres, Paris e Barcelona.

É do Porto, vale a pena saber mais:

A coleção Dress Me surge de uma  idéia  em que a Munna  convida designers portugueses para reinterpretar algumas das suas peças de uma coleção já existente com o objetivo de divulgar para o mercado internacional o talento dos criadores nacionais. São criações limitadas, apenas 12 unidades, numeradas e assinadas pelo designer.
Quem disse que mobiliário não é arte?

A terceira peça desta coleção foi lançada ontem e chama-se Caprice, criação de Inês Caleiro, designer de calçados que estagiou na Jimmy Choo, de onde saiu  para criar a sua própria  marca, veja: aqui


Estofo: algodão de cetim - cor pérola
Pernas: revestida a folha de ouro, lacada a verde lima
 esta poltrona exprime a verdadeira elegância de uma pedra preciosa, onde o contraste das cores fuschia e cereja criam um patamar de luz própria que enaltece a separação entre o corpo e os pés da poltrona.

 
Vale a pena dar uma olhada no site da Munna, para ver a Capice antes de ser reinventada.

E porque não ver também os 2 primeiros lançamentos da coleção Dress Me:

Poltrona Heritage - criação de Susana Martins

Poltrona Soft & Creamy de Gonçalo Campos

Poltronas elegantes, do Porto para o mundo!

terça-feira, 26 de junho de 2012

Do Porto para... Guimarães

Quem vem ao Porto ou está no Porto deve tirar um dia para visitar Guimarães: o chamado Berço de Portugal. Ou seja, prepare-se para entrar num livro de História. Logo na praça principal, uma grande muralha avisa-nos onde estamos:



Guimarães está a aproximadamente 50 kms do Porto. E para quem não quer ir de carro, pode pegar o comboio/trem nas estações São Bento ou Campanhã e em mais ou menos 1 hora está no centro de Guimarães.

Portugal, que antes era Portucale, nada mais era do que um  condado dependente do reino de Leão, pertencia a terras galegas. E foi  Dom Afonso Henriques, que vivia em Guimarães , após a morte de seu pai e em oposição à sua mãe, quem impediu a invasão do condado,venceu a Batalha de São Mamede e depois de mais alguns anos de conquistas, auto proclamou-se Rei de Portugal.
Para saber mais da história do surgimento de Portugal e do seu primeiro rei, D. Afonso Henriques leia: aqui
E lá ao alto, bem à entrada do Castelo de Guimarães, bem à frente da Capela de São Miguel, onde ele teria sido batizado,  está a sua estátua!




São passagens obrigatórias para quem vai a Guimarães. Mas para chegar ao castelo, temos que passar por deliciosas vielas medievais, e o histórico Largo da Oliveira. Deixe-se perder nesta cidade que respira história. O seu centro histórico é classificado como  Patrimonio Cultural da Humanidade.





Além de oferecer uma excelente gastronomia e os vinhos verdes da Região do Minho, o comércio tradicional de Guimarães tem lojas belíssimas e confeitarias com doces conventuais claro, maravilhosos!

Mas para mim, um lugar que não pode deixar de ser visitado é o Paço dos Duques   . Destaca-se pela sua arquitetura arrojada e imponente. Está localizado ao lado do Castelo.


Hoje, transformado num museu, é um dos monumentos mais visitados em Portugal. E apresenta um acervo belíssimo de obras de arte, mobiliário estilo medieval, e tapeçaria de origem espanhola e belga  algumas com  dimensões de aproximadamente 40 metros quadrados.Imperdível!



 




E já que Guimarães é a Capital Europeia da Cultura em 2012, nada como aproveitar a sua ida à cidade para um programa cultural. Veja a agenda oficial no: site.



E porque ninguém é de ferro, e o calor do Verão não perdoa, minha sugestão é uma salada bem refrescante no restaurante vegetariano Cor de Tangerina, localizado bem em frente ao Castelo e ao Paço dos Duques.
Mesmo quem não é adepto à cozinha vegetariana, deve passar por lá para conhecer a beleza da casa antiga, que foi totalmente reconstruída , tem loja de artesanato, produtos regionais e biológicos.


Do Porto para... Guimarães, um passeio histórico, gastronomico, cultural e medieval! Vale a pena!

Reserve aqui o seu hotel em Guimarães:

Booking.com

segunda-feira, 25 de junho de 2012

E já se foi o São João...

Escolhi duas reportagens televisivas que resumiram o que foi a noite mais longa do Porto.
Dá para ver e ouvir a confusão alegre que se instala por toda a cidade.
Não há rua, casa ou localidade que não festeje o São João.




E para dar fim ao São João,acontece tradicionalmente todos os dias 24 de Junho, a Regata dos Barcos Rabelos. Aqueles barcos de madeira que ficam o ano inteiro paradas à margem de Gaia do Rio Douro, içam as suas velas e fazem o percurso da foz do rio até a Ponte D. Luiz I, cada barco representa uma marca do Vinho do Porto. O vencedor deste ano foi o barco da marca Warre's.
E assim, a cidade despede-se do São João. Ano que vem... tem mais.


foto: Confraria do Vinho do Porto

foto: abola.pt

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Eles estão por toda a parte! Os manjericos!!!

Eu me coloco às vezes no lugar dos turistas, que diga-se de passagem são muitos nestes dias aqui no Porto. E eles devem  perguntar: "Mas que raio de vasos são estes???"





Eles estão por toda a cidade! Nas ruas, nas lojas, nas janelas. Naturais e artificiais.


 



Enfeitam tudo: as ruas, as lojas, os cafés.








Vale a criatividade. Que tal estes em tecido?


O manjerico faz parte da tradição do São João do Porto. E tradição é tradição, não se questiona. Mantém-se. O certo é que ao passarmos a mão sobre estes raminhos, o cheiro é fantástico.
Estão aí para desejar boas energias, sorte e bonança.


E manjerico de verdade tem que vir com uma Quadra (um verso)! Com ditos populares e recadinhos especiais!


O meu já está aqui a minha beira! que é pra desejar um bom São João a toda gente!


quinta-feira, 21 de junho de 2012